Um resultado contundente: “A água vale mais do que o ouro” Sobre a consulta popular que suspendeu o projeto de mineração “La Colosa” em Cajamarca, Colômbia

Santiago Martínez Neira

Español

tolima_marcha_megaproyectos

Em 26 de março de 2017, ocorreu um evento inspirador para todas as comunidades camponesas latino-americanas que enfrentam megaprojetos extrativistas em seus territórios. Em Cajamarca (Colômbia), realizou-se uma consulta popular em que se decidiu sobre a continuidade de La Colosa, um projeto de mineração de ouro de grande magnitude. Foi assim que uma pequena população agrícola enfrentou os interesses do governo nacional e os da multinacional mineira AngloGold Ashanti. Esse processo de resistência cidadã, que começou há vários anos, produziu um resultado nada surpreendente: 97,9% dos residentes de Cajamarca disseram que não concordavam com o desenvolvimento de projetos e atividades de mineração em seu município. Esse resultado não apenas suspendeu La Colosa, mas também provocou uma reação em cadeia. Atualmente, existem 44 consultas populares em andamento.

A consulta popular é um mecanismo de participação direta previsto na Lei 134 de 1994. Por meio dela, é feita uma pergunta de forma geral à população. De acordo com a norma, o resultado é vinculante e obrigatório.[1] Com a Lei 1.757 de 2015, determinou-se que a consulta popular podia ser convocada pelos cidadãos e não apenas pelo prefeito, governador ou presidente, conforme inicialmente se havia designado. Quando isso acontece –como em Cajamarca–, diz-se que a consulta é de origem popular.[2]Frequentemente, a consulta popular é confundida com a consulta prévia, outro mecanismo previsto na Convenção 169 da OIT. A esse respeito, vários esclarecimentos se fazem necessários. A consulta prévia é uma obrigação internacional atribuída aos Estados. Isso quer dizer, em linhas gerais, que os povos indígenas e tribais devem ser consultados antes que se implementem ou aprovem projetos para a exploração de recursos naturais em seus territórios.[3] Por sua vez, a consulta popular é doméstica, facultativa e contempla todos os cidadãos. Além disso, ao contrário do que ocorre na consulta prévia, a lei não estabelece que a consulta popular precise ser realizada antes da aprovação ou execução dos projetos extrativistas. Isso se explica pelo fato de a consulta popular não ser ativada automaticamente, mas a pedido daqueles que a convocam e após se cumprirem os requisitos legais. Por isso, pode acontecer de o governo apresentar projetos para a exploração de recursos naturais que, mais tarde, venham a ser interrompidos devido ao resultado da consulta popular.

Um dos argumentos mais recorrentes entre aqueles que promoveram a consulta popular em Cajamarca foi o de que a execução de La Colosa colocava em risco a água, um recurso vital para a economia agrícola e para a sobrevivência da comunidade. De fato, está bem documentado que a exploração do ouro consome grandes quantidades de água, e que tanto as fontes como os corpos de água podem ser contaminados pela liberação de sulfetos e metais pesados, derramados diretamente na água ou drenados pela terra, causando erosão e sedimentação.

Agora, para além dos números e do resultado esmagador, o que aconteceu em Cajamarca desenterrou velhos debates. Quem deve tomar decisões sobre a governança da água? Pode ser que isso caiba às comunidades que cercam os projetos extrativistas, comumente subestimadas por não dominarem uma linguagem técnica; ou aos governos regionais, sobre os quais reside uma profunda desconfiança pela corrupção generalizada; ou, talvez, ao governo nacional, que domina uma linguagem técnica e diz-se regido pela eficiência econômica, mas, na prática, parece simplesmente não representar os interesses dos seus governados.Como se não fosse suficientemente complexo, esse debate traz à tona outras questões. Como qual modelo de democracia temos? A qual modelo de democracia aspiramos? Pode ser um modelo representativo, em que alguns tomem as decisões que dizem respeito a todos, sob um manto de legitimidade. Também pode ser um modelo deliberativo local          –aparentemente mais justo– em que os afetados pela decisão tenham o poder de tomá-la e de determinar os procedimentos para fazê-lo. A verdade é que não há respostas fáceis e é difícil encontrar um equilíbrio. No primeiro caso, corre-se o risco de minar os direitos daqueles que não estão representados e dificilmente estarão; especialmente em países como os da América Latina, profundamente desiguais e, na prática, hipercentralistas. No segundo modelo, corre-se o risco de dificultar e entorpecer a gestão de projetos que eventualmente podem trazer benefícios, mesmo para as comunidades locais.De todo modo, Cajamarca falou e decidiu. E é por isso que devemos questionar como os processos de deliberação e a tomada de decisão podem ser melhorados em cenários futuros como esse. Seguem, aqui, algumas ideias.1. O direito à decisão das comunidades não deve ser subestimado ou ignorado. Pelo contrário, é necessário capacitá-las, ouvi-las e acompanhar os seus processos locais. Com a promulgação da Constituição Política de 1991 na Colômbia,[4] foi possível institucionalizar mecanismos valiosos de participação cidadã, como o conselho aberto, o plebiscito, a revogação do mandato e, claro, a consulta popular. Nesse sentido, seria um retrocesso restringi-la ou extingui-la por meio de novas leis.[5] O problema não é o mecanismo em si, mas que, como país, não tivemos um debate sério e inclusivo sobre como e a que custo praticar a mineração legal em nosso território.2. Consultar não basta; deve-se promover a deliberação. As comunidades merecem estar presentes e no centro dos processos em que os custos, benefícios e riscos de projetos extrativistas como La Colosa sejam avaliados. Consultar para cumprir uma formalidade jurídica é inútil; pior ainda se a decisão majoritária for ignorada. Se o mecanismo for respeitado, e a sua natureza vinculante for abraçada, a deliberação deverá ser levada a sério. Também não devemos cair na ingenuidade de pensar que as partes negociam de igual para igual. Deve-se reconhecer e tentar compensar as desigualdades, e não valer-se delas para ignorar o valor da deliberação.3. É necessário realizar a consulta popular dentro de um prazo razoável e com publicidade. Um dos argumentos utilizados para questionar a existência desse mecanismo é que o mesmo pode minar a segurança jurídica necessária aos investimentos estrangeiros e afogar o Estado em ações judiciais dispendiosas. Isso ocorre, em parte, porque os processos de consulta são demorados e pouco ventilados; e, no final das contas, chegam ao fim quando o trabalho de prospecção ou exploração já se iniciou. Embora nem sempre haja garantias de que a consulta vá ocorrer antes da fase de execução do projeto, se a mesma for realizada com rapidez e publicidade, é possível evitar litígios caríssimos.4. Transparência e responsabilidade são essenciais. Se as comunidades camponesas participarem e souberem claramente os termos em que esses projetos serão levados a cabo, será mais fácil acompanhá-los e denunciar o seu descumprimento. Da mesma forma, para as partes, será mais difícil violar parcial ou totalmente o acordo.Finalmente, seria interessante explorar novas formas de abordar o tema. Por exemplo, quando se analisa o direito à propriedade coletiva das comunidades indígenas, menciona-se a relação especial dessas comunidades com o território. Um relacionamento difícil de entender para aqueles que não compartilham da sua visão de mundo. Vale a pena nos perguntarmos se algumas comunidades camponesas compartilham, preservam e reproduzem uma relação especial com o território onde vivem. Um relacionamento ainda não contemplado pelo direito, em que a terra é algo mais do que o lugar em que crescem os alimentos.

[1] O artigo 8 da Lei 134 de 1994 é muito claro quando afirma: “Em todos os casos, a decisão das pessoas é obrigatória”.

[2] O artigo 3 da Lei 1.757 de 2015 estabelece que “o referendo e a consulta popular podem ser originários de uma autoridade pública ou popular”.

[3] Para os países que ratificaram a Convenção 169 da OIT e que fazem parte da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, a consulta prévia deve ser realizada: respeitando a anterioridade; de boa fé e com o objetivo de chegar a um acordo; de forma adequada e acessível; com a realização prévia de um estudo ambiental; de maneira informada. Cfr. Corte IDH. Caso dos Povos Indígenas Kichwa de Sarayaku v. Equador. Mérito e Reparação. Julgamento de 27 de junho de 2012. Série C No. 245, parágrafos 180-211.

[4] O artigo 103 da Constituição Política de 1991 afirma: “São mecanismos de participação do povo no exercício da sua soberania: o voto, o plebiscito, o referendo, a consulta popular, o conselho aberto, a iniciativa legislativa e a revogação do mandato. A lei os regulará.”

[5] Restringir ou extinguir este mecanismo seria inconstitucional sob o princípio da não retroatividade. Além disso, o Tribunal Constitucional da Colômbia tem reiterado que “a Constituição Política de 1991 não restringe o princípio democrático à esfera política, mas o estende a múltiplas esferas sociais. O processo de expansão da democracia vai além da reflexão sobre os mecanismos de participação direta e enfatiza especialmente a extensão da participação de pessoas interessadas nas deliberações de órgãos coletivos, além dos políticos.” Tribunal Constitucional da Colômbia. Sentença C-522/02 (MR. Jaime Córdoba Triviño).

 

Santiago Martínez Neira, Advogado colombiano, assistente de pesquisa na Academia de DH e DIH do Washington College of Law, American University

About Justicia en las Américas

Este es un espacio de la Fundación para el Debido Proceso (DPLF, por sus siglas en inglés) en el que también colaboran las personas y organizaciones comprometidas con la vigencia de los derechos humanos en el continente americano. Aquí encontrará información y análisis sobre los principales debates y sucesos relacionados con la promoción del Estado de Derecho, los derechos humanos, la independencia judicial y el fortalecimiento de la democracia en América Latina. Este blog refleja las opiniones personales de los autores en sus capacidades individuales. Las publicaciones no representan necesariamente a las posiciones institucionales de DPLF o los integrantes de su junta directiva. / This blog is managed by the Due Process of Law Foundation (DPLF) and contains content written by people and organizations that are committed to the protection of human rights in Latin America. This space provides information and analysis on current debates and events regarding the rule of law, human rights, judicial independence, and the strengthening of democracy in the region. The blog reflects the personal views of the individual authors, in their individual capacities. Blog posts do not necessarily represent the institutional positions of DPLF or its board.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s