Livre determinação indígena: entre o Direito Internacional e a tragédia

Daniel Cerqueira*

Versión en español aquí.

English version here.

O impacto da pandemia do Covid-19 para os povos indígenas e o contexto de violência e esbulho territorial nos obriga a pensar soluções desde os mais variados âmbitos jurídicos e políticos.

2020 tem sido um ano particularmente trágico para os povos indígenas em todo o planeta e, em particular, na região amazônica. Ali, a expansão do Covid-19 ocorre de forma paralela à ação oportunista de madeireiros ilegais, garimpeiros, grileiros e governos dispostos a flexibilizar a concessão de megaprojetos extrativos sob o argumento de que é necessário promover investimentos nesta região em resposta à crise econômica provocada pela pandemia.

Dita realidade vem sendo descrita por juristas, organizações da sociedade civil e pelas próprias comunidades atingidas, por meio de expressões como genocídio ou etnocídio, usualmente utilizadas em contextos de limpeza étnica por parte de regimes repressivos ou no bojo de conflitos armados. Por outro lado, a devastação ambiental em marcha na região tem sido descrita frequentemente como “ecocídio”. Até o momento, mais de 70 mil indígenas foram infectados pelo COVID-19 nas Américas, dos quais 23 mil se encontram na bacia amazônica e 15 mil no Brasil.

No Brasil, a tragédia enfrentada pelos povos indígenas é consequência direta da aquiescência do governo à destruição de reservas naturais e indígenas e do desmantelamento do pouco que resta de institucionalidade socioambiental.

A crise humanitária atravessada pelos povos indígenas requer o uso de todas as ferramentas políticas e jurídicas disponíveis

Na maioria dos países, houve uma redução na emissão de gases de efeito estufa, devido à diminuição da atividade económica. No Brasil, no entanto, espera-se um aumento de 20% nas emissões de CO2 em comparação com o ano passado, provocado essencialmente pelo avanço das invasões ilegais de terras indígenas e do incremento de até 35% no desmatamento da Amazônia no curso deste ano. Apesar desta situação de calamidade, o Ministro do Meio Ambiente afirmou recentemente, durante uma reunião ministerial, que a comoção ao redor da crise do Coronavírus no Brasil é uma oportunidade para acelerar a flexibilização das leis ambientais.

Para vários especialistas em Direito Internacional, as denúncias recentes contra Jair Bolsonaro perante a Promotoria do Tribunal Penal Internacional (TPI) por ecocídio e genocídio possuem uma motivação mais política que jurídica, sendo improvável que o mandatário brasileiro enfrente um inquérito preliminar no TPI. Apesar desta controvérsia, a crise humanitária enfrentada pelos povos indígenas requer, inevitavelmente, o emprego de todas as ferramentas políticas e jurídicas disponíveis, incluindo as previstas no Direito Internacional.

Livre determinação nos órgãos políticos da ONU

As expressões “livre determinação” e “autodeterminação” remontam ao discurso iluminista que inspirou as revoluções norte-americana e francesa no final do século XVIII, bem como os movimentos de independência na América Latina e Caribe, no começo do século XIX. Em sua acepção embrionária, tais expressões definiam a reivindicação de um povo de autogovernar-se e derrocar regimes coloniais e monarquias absolutas. Neste contexto, o indivíduo-cidadão passou a ser o ponto de referência e as características étnicas e culturais não seriam devidamente consideradas nas constituições dos Estados-nações nascidos das revoluções liberais[1].

Após a Primeira Guerra Mundial, apesar de que os arranjos territoriais do leste europeu previstos no Tratado de Versalhes se fundamentaram, em parte, na autodeterminação de minorias nacionais europeias, os instrumentos constitutivos da Liga das Nações não chegaram a consagrar a livre determinação como um princípio fundacional da relação entre os Estados. Sua definição como um postulado político e não como um direito coletivo foi ditada na famosa decisão do Comitê de Juristas da Sociedade das Nações, ao redor da demanda da população das Ilhas Aaland, da qual 95% fala o idioma sueco; de tornar-se independente da Finlândia e incorporar-se à Suécia[2].

Adotada em 1945, a Carta das Nações Unidas estabelece em seu artigo primeiro o principio da livre determinação como pilar da nova ordem internacional, estendendo dito principio para além do contexto europeu e aplicando-lhe aos territórios coloniais não-autônomos[3]. No entanto, a Carta não define a livre determinação como um direito coletivo em si. Dita acepção seria assumida pela comunidade internacional a partir da década de sessenta, sob o impulso dos processos de descolonização.

A progressiva emancipação colonial na África e Ásia levou a Assembleia Geral da ONU a adotar, em dezembro de 1960, as resoluções 1514 (XV) e 1541 (XV), as quais reconhecem a autonomia dos povos coloniais de expressar sua vontade livremente. Tais resoluções inauguram o reconhecimento internacional dos povos, e não dos territórios independentes ou em processo de emancipação, como titulares do direito à livre determinação.

Dita posição foi ratificada pela Corte Internacional de Justiça na Opinião Consultiva ditada em 1975 no Caso Relativo à Saara Ocidental. Titulada “Declaração sobre a Concessão de Independência aos Países e Povos Coloniais”, a resolução 1514 (XV) define a livre determinação como o direito dos povos do mundo “a determinar livremente sua condição política e perseguir livremente seu desenvolvimento econômico, social e cultural.”

Desde a adoção das citadas resoluções, prevaleceu a posição conhecida como “doutrina da água salgada” ou “da água azul”, segundo a qual o reconhecimento da livre determinação não era aplicável às minorias étnicas no interior dos Estados que já haviam alcançado a independência. Desta maneira, a comunidade internacional decidiu, num primeiro momento, limitar o reconhecimento à livre determinação aos processos de descolonização pelos povos de enclaves ultramarinos, mas não aos povos indígenas e/ou minorias étnicas e nacionais dentro dos Estados independentes.

Livre determinação no Direito Internacional dos Direitos Humanos (DIDH)

Sistema Universal de Direitos Humanos

O artículo 1º comum ao Pacto de Direitos Civis e Políticos (PIDCP) e ao Pacto de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (PIDESC) consagra expressamente o direito à livre determinação, mas a interpretação inicial dos respectivos comitês foi influenciada pela exclusão desde direito às minorias étnicas presentes nos Estados independentes. Cabe destacar, entretanto, que antes mesmo do reconhecimento do referido princípio nos foros intergovernamentais, vários povos indígenas e organizações da sociedade civil vinham reivindicando seu reconhecimento no âmbito interno e internacional.

O reconhecimento expresso da livre determinação a favor dos povos indígenas em um instrumento internacional ocorreria somente em 2007

Após décadas de mobilizações, o direito à livre determinação foi progressivamente reconhecido aos povos indígenas, a partir do quadro normativo e jurisprudencial do DIDH. Dito reconhecimento ganhou um maior impulso no contexto da superação do paradigma integracionista que vigorou por vários anos nos ordenamentos constitucionais, sobretudo na América Latina. A partir da década de 1980, vários países do continente adotaram constituições que incorporam o paradigma multicultural na abordagem da relação entre povos indígenas e Estados.

No âmbito internacional, a superação do paradigma integracionista se materializou com a adoção da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em junho de 1989, sendo fortalecida com a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas de 2007, e com uma vasta jurisprudência dos órgãos supranacionais de direitos humanos.

A Convenção 169 da OIT internacionalizou o compromisso de preservação das culturas indígenas, reconhecendo-lhes o poder de decidir autonomamente sobre suas prioridades de desenvolvimento e de participar diretamente de toda e qualquer decisão estatal capaz de afetar-lhes. Dito compromisso seria concretado mediante o direito à consulta e consentimento prévio, livre e informado (CPLI). Embora não estabeleça expressamente o direito à autodeterminação, a Convenção consagra a autonomia dos povos indígenas para determinar livremente seus modos de vida e suas prioridades de desenvolvimento econômico, social e cultural.

O reconhecimento expresso da livre determinação em favor dos povos indígenas em um instrumento internacional ocorreria somente em 2007, por meio da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, especificamente nos artigos terceiro e quarto[4]. Este esforço foi seguido pela Declaração Americana dos Direitos dos Povos Indígenas, aprovada pela Assembleia Geral da OEA em junho de 2016, cujos artigos III e XXI consagram o mesmo direito fundamental.

Antes da adoção desses instrumentos, o Direito Internacional e o Direito Constitucional Comparado atribuíam múltiplos significados ao termo “livre determinação” que denotam, em geral, as seguintes situações: 1) processos de descolonização; 2) o direito de independência de um Estado soberano perante os demais (livre determinação externa); e 3) o direito dos povos de determinar livremente sua condição política e buscar seu próprio desenvolvimento dentro de um determinado Estado (livre determinação interna).

Em seu comentário geral nº 12 de 1984, o Comitê de Direitos Humanos enfatizou o aspecto externo desse direito. Posteriormente, em 1996, o Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial esclareceu, no comentário geral nº 21, o aspecto interno da livre determinação, que implica o “direito de todos os povos realizarem seu desenvolvimento econômico, social e cultural sem interferência externa.” Por sua vez, o Comitê DESC também se pronunciou sobre o direito à autodeterminação previsto no Artigo 1 do PIDESC em favor dos povos indígenas.

Sistema Interamericano de Direitos Humanos (SIDH)

O vínculo entre os direitos de propriedade coletiva e à CPLI com o princípio da livre determinação indígena foi recentemente reconhecido na doutrina da Comissão e na jurisprudência da Corte Interamericana (Corte IDH). A sentença da Corte no Caso do Povo Saramaka vs. Suriname, de 2007, é um marco nesse sentido. Ao se pronunciar sobre o direito à CPLI, a Corte destacou que este deriva não apenas da Convenção 169 da OIT, que não foi ratificada pelo Suriname, sendo inerente à livre determinação indígena contida no art. 1 do PDCP.

No Caso do Povo Sarayaku v. Equador, de 2012, a Corte IDH foi ainda mais enfática ao se pronunciar sobre o vínculo entre os direitos territoriais indígenas e o direito à livre determinação. A sentença destaca que este vínculo é indissociável da identidade cultural dos povos indígenas e implica “a obrigação dos Estados de garantir que os povos indígenas sejam devidamente consultados sobre os assuntos que afetam ou possam afetar sua vida cultural e social, de acordo com seus valores, usos, costumes e formas de organização.” A Corte destacou que “a identidade cultural é um direito fundamental de caráter coletivo das comunidades indígenas, que deve ser respeitado em uma sociedade multicultural, pluralista e democrática” (par. 217).

No Caso dos Povos Kaliña e Lokono v. Suriname, a Corte reiterou que o direito à propriedade coletiva dos povos indígenas deve ser interpretado à luz das obrigações previstas no artigo 1 do PIDESC e de outros instrumentos internacionais que protegem a livre determinação indígena.

A CIDH também se pronunciou sobre o direito à livre determinação por meio de relatórios temáticos, como o Relatório sobre Povos Indígenas em Isolamento Voluntário e Contato Inicial nas Américas de 2013, o Relatório sobre Povos Indígenas, Comunidades Afro-descendentes e Indústrias Extrativas de 2015 , e o Relatório sobre a Situação dos Povos Indígenas e Tribais da Panamazônia.

Apesar dos precedentes mencionados e da tendência recente da CIDH de abordar diferentes direitos dos povos indígenas com base no princípio da livre determinação, o Sistema Universal continua sendo a principal fonte de pronunciamentos sobre o assunto. Nesse sentido, espera-se que os órgãos do SIDH desenvolvam parâmetros mais específicos e ecoem as demandas das organizações indígenas, para que o vínculo com seus territórios e recursos naturais seja protegido no âmbito de sua autonomia e livre determinação.

Garantia de um mundo melhor

Apesar da tensão que ainda existe entre o direito à livre determinação e o princípio da integridade territorial dos Estados, o DIDH desenvolveu importantes normas no que diz respeito ao aspecto interno da livre determinação, com o fim de estender sua aplicação aos povos, comunidades indígenas e tradicionais no seio de seus Estados.

A crise do Covid-19 é somente o prelúdio de uma crise ambiental cujas consequências tendem a ser muito mais catastróficas

Esse aspecto se articula com outros princípios igualmente protegidos, como o autogoverno e a autonomia na organização indígena, por meio de seus próprios processos decisórios e instituições políticas. Nessa lógica, a livre determinação indígena tem sido amplamente reconhecida no DIDH e no Direito Constitucional Comparado, sendo necessário, em todo caso, continuar avançando na obtenção de novas normas e pronunciamentos que desenvolvam parâmetros mais claros de atuação estatal nesse âmbito.

Deve-se notar que a crise do Covid-19 é apenas o prelúdio de uma crise ambiental cujo desfecho tende a ser muito mais catastrófico, a menos que a comunidade internacional de Estados, empresas e, em geral, a humanidade assuma uma forma mais racional de utilização dos recursos naturais. Uma das maneiras de concretizar esse compromisso passa por respeitar a capacidade dos povos indígenas de administrar com autonomia seus territórios e recursos naturais.

Garantir o direito à livre determinação indígena implica preservar um modo de vida mais harmonioso com a natureza. Nesse sentido, o reconhecimento desse direito deve ser entendido como um imperativo não apenas para preservar a integridade física e cultural dos povos indígenas e comunidades tradicionais, mas como um compromisso para prevenir e mitigar os efeitos da crise climática e das diversas crises ambientais dos nossos tempos.

*Diretor do Programa Direitos Humanos e Recursos Naturais em DPLF


[1] ERIC J. HOBSBAWM, Nations and Nationalism since 1780: programme, myth, reality. 2nd Ed., Cambridge University Press, 1992, p. 19.

[2] Vide Romualdo Bermejo García, El Derecho de autodeterminación de los pueblos a la luz del Derecho Internacional, p. 2. Entre os aspectos mais relevantes, tal decisão destacou que:

Embora o princípio de que os povos devem ser capazes de governar-se ocupa um lugar importante no pensamento político moderno, principalmente após a guerra mundial, deve-se notar que não está inscrito no Pacto da Liga das Nações. E a consagração deste princípio em um certo número de tratados internacionais não basta para que seja considerado uma das regras positivas do Direito das Gentes.

[3] Vide os capítulos XI (Declaração relativa aos territórios não-autônomos), XII (Regime internacional de tutela) e XIII (Conselho de Tutela) da Carta da ONU.

[4] Tais artigos estabelecem o seguinte:

Artigo 3 Os povos indígenas têm direito à autodeterminação. Em virtude desse direito determinam livremente sua condição política e buscam livremente seu desenvolvimento econômico, social e cultural.

Artigo 4 Os povos indígenas, no exercício do seu direito à autodeterminação, têm direito à autonomia ou ao autogoverno nas questões relacionadas a seus assuntos internos e locais, assim como a disporem dos meios para financiar suas funções autônomas.

Acerca de Justicia en las Américas

Este es un espacio de la Fundación para el Debido Proceso (DPLF, por sus siglas en inglés) en el que también colaboran las personas y organizaciones comprometidas con la vigencia de los derechos humanos en el continente americano. Aquí encontrará información y análisis sobre los principales debates y sucesos relacionados con la promoción del Estado de Derecho, los derechos humanos, la independencia judicial y el fortalecimiento de la democracia en América Latina. Este blog refleja las opiniones personales de los autores en sus capacidades individuales. Las publicaciones no representan necesariamente a las posiciones institucionales de DPLF o los integrantes de su junta directiva. / This blog is managed by the Due Process of Law Foundation (DPLF) and contains content written by people and organizations that are committed to the protection of human rights in Latin America. This space provides information and analysis on current debates and events regarding the rule of law, human rights, judicial independence, and the strengthening of democracy in the region. The blog reflects the personal views of the individual authors, in their individual capacities. Blog posts do not necessarily represent the institutional positions of DPLF or its board.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s